Arquivo da tag: pertencimento

Recebi um elogio. O que faço?

Sempre me questiono por que a pessoas ficam tão sem graça quando recebem um elogio. Desconfiança? Incredulidade? Basta alguém dizer que estamos bem vestidos para respondermos em seguida: “- Obrigada, mas esta camisa está tão velhinha!” ou “- Mas tem um buraco aqui do lado”, deixando a pessoa que elogiou desconfortável imaginando se deveria ter elogiado ou não.
Outro exemplo é se o elogio faz referência a alguma característica física da pessoa elogiada. Muito comum se dizer a uma mulher que ela é bonita e ouvir em seguida: “- Que bom, mas ainda preciso emagrecer 5 quilos.”, ou pior ainda “Obrigada, mas estou tão gorda/magra/mal arrumada/sem maquiagem”. Não falta por onde começar a se desmerecer.
E não é só com a mulher que isso ocorre. Quer deixar um homem desconfortável é fazer um elogio que não alcance a virilidade dele (já que neste caso normalmente se infla como um pavão). Entretanto, ao enaltecer o comportamento frente a uma situação boa parte deles não saberá como agir. Não agradecem nem respondem. Tampouco entendem.
Outro dia no elevador e encontrei uns vizinhos cujo filho conheci desde bebê. Hoje o menino deve estar com uns 14 anos. E está lindo. Não somos íntimos, mas mantemos excelentes relações de cordialidade. Como eu não os via há muito, para não repetir o já batido “Nossa, como você cresceu”, avisei que eu iria elogiá-lo (avisei) e tasquei um “você sempre foi muito bonito, mas está ficando um rapaz ainda mais!”, pra quê?! Parecia que ele havia sido esquecido dormindo ao sol do meio dia, de tão vermelho que ficou. E mudo. Sem coragem de me olhar de frente, baixou os olhos. Brinquei ainda com ele, dizendo que ele não precisava se encabular, pois eu não o estava ofendendo, ao contrário. Era somente uma constatação e um elogio.
Mas, voltando ao tópico. Por que tanta dificuldade em aceitar elogios?
Primeiramente pode ser pela impressão – e esta é marcante – de que a pessoa que elogia outra do nada, no fundo, no fundo, quer alguma coisa em troca do elogio. Afinal, por que alguém (ainda que amigo, familiar ou conhecido) nos elogiaria gratuitamente já que não estamos no nosso dia ‘Giselle Bundchen na capa da Vogue’?
Outro motivo pode ser pela ideia de que o elogio não foi sincero. Muita gente desconfia de elogio sem “contraprestação” e ainda, de que seja falso. Sim, existem elogios mais falsos que nota de três reais.
Mas por que não seria sincero? Porque elogiar pode ser também uma forma de manipular o elogiado atuando sobre seu ego e o deslumbre pelo elogio. Neste caso a pessoa que já teve uma experiência assim, fica com o desconfiômetro ligado.
Terceira impressão: questionar o merecimento do elogio. É muito fácil acreditar que não mereçamos estar sendo elogiados. As pessoas buscam reconhecimento, mas não acreditam fazer jus aos elogios, que são a forma direta deste reconhecimento. Estranho, porém verdadeiro.
Há um grupo de pessoas que consegue aceitar ofensas (quando leves) com maior facilidade e sensação de merecimento do que aceita elogios. Neste caso, elas estão tão acostumadas com falas negativas, gozações e com falta de reconhecimento, que se sentem mais à vontade com o insulto do que quando elogiadas.
Porém, sendo elogiado, o que fazer?
Simples: Agradeça e sorria. Abrace o elogio com o sorriso e o coração e o guarde ali silenciosamente. Nada além do agradecimento e do sorriso. Não justifique. Não se justifique. Não estrague o momento.
Pode até querer fazer um elogio recíproco, mas só o faça se for verdadeiro. Caso contrário, não o faça.
Perceba nas ações seguintes da pessoa que te elogiou o comportamento dela. Assim poderá saber se foi sincero, bem intencionado e despretensioso. E caso tenha sido, agradeça e sorria internamente uma vez mais. Percebendo que não foi, agradeça em segredo por ter tido a oportunidade de conhecer melhor as características de tal pessoa e mantenha sua intuição aguçada.
Por fim, lembre-se que quando você elogia alguém, esta pessoa pode ter igualmente estes mesmos pensamentos e sensações em relação a você. Da falta de sinceridade nas suas palavras, da contraprestação a ser paga por ter sido elogiada ou que você pode a estar tentando manipular com o elogio.
Neste caso, a sensação de desconfiança e a intuição dela trabalharão contra você. E, de nada servirá um fazer elogio em outra oportunidade, por mais verdadeiros, desinteressados e honestos que sejam tanto você quanto o elogio.

 

Publicado no site O segredo em 12 de outubro de 2016.

Anúncios